Vigor de sementes, população de plantas e desempenho agronômico de soja

  • Rubiana Falopa Rossi Faculdade de Ciências Agronômicas/ UNESP- Botucatu, SP.
  • Cláudio Cavariani Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas, FCA/UNESP.
  • José de Barros França-Neto Embrapa Soja

Resumo

 O vigor é um dos principais atributos da qualidade fisiológica das sementes a ser considerado na implantação de uma lavoura pela influência que pode ter no crescimento e no rendimento das plantas. O objetivo da pesquisa foi avaliar o desempenho de plantas de soja [Glycine max (L.) Merrill] e a qualidade das sementes produzidas em diferentes densidades populacionais (7, 12 e 17 plantas m-1), em função do nível de vigor (alto, médio e baixo) das sementes utilizadas. Foram avaliados a população inicial, a data do florescimento, o ciclo, os componentes de produção e a qualidade das sementes de soja produzidas. Foi evidente o efeito do vigor das sementes na emergência de plântulas em campo, sendo superior quando oriundas das sementes de alto vigor. Além disso, o uso de sementes com maior vigor resulta em plantas mais altas, com maior altura de inserção da primeira vagem e maior número de vagens por planta. Contudo, uma vez ajustada à população de plantas, não há efeito do vigor sob a produtividade da soja. O vigor das sementes e a densidade de plantas na linha não influenciam a qualidade fisiológica das sementes produzidas.

Biografia do Autor

Rubiana Falopa Rossi, Faculdade de Ciências Agronômicas/ UNESP- Botucatu, SP.

Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal. 

Área: Produção e tecnologia de sementes. 

Cláudio Cavariani, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas, FCA/UNESP.

Universidade Estadual Paulista,

Faculdade de Ciências Agronômicas, FCA/UNESP,

Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal - Agricultura

Área: Produção e tecnologia de sementes. 

 

José de Barros França-Neto, Embrapa Soja

Embrapa Soja

Área: Produção e tecnologia de sementes. 

 

Referências

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p.

CARNEIRO, G. E. de S. Efeito da densidade de plantas e da adubação na qualidade de sementes e outras características agronômicas de soja [Glicyne max (L.) Merrill], cv. UFV-1. 1988. 199 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia)-Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 1988.

CARVALHO, N. M.; TOLEDO, F. F. Relationships between available space for plant development and seed vigor in peanut (Arachis hypogea) plant performance. Seed Science and Technology, Zürich, v. 6, p. 907-910, 1978.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Tecnologias de produção de soja: região central do Brasil: 2011. Londrina, 2010. 255 p.

FEHR, W. R.; CAVINESS, C. E. Stages of soybean development. Ames: Iowa State University, 1977. 11 p.

FRANÇA NETO, J. B. Qualidade fisiológica da semente. In: FRANÇA NETO, J. B; HENNING, A. A. Qualidade fisiológica e sanitária de semente de soja. Londrina: EMBRAPA, CNPSo, 1984. p. 5-24. (Circular Técnica, 9).

FRANÇA NETO, J. B.; KRYZANOWSKI, F. C.; COSTA, N. P. Testes de Tetrazólio para determinação do vigor de sementes. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA-NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 1999. cap. 8.5, p. 1-28.

GRABE, D. F. Significance of seedling vigor in corn. Proceedings of Twenty-first Annual Hybrid Corn Industry-Research Conference, Washington, DC, n. 21, p. 39-44, 1966.

HÖFS, A.; SCHUCH, L.O.B.; PESKE, S.T.; BARROS, A.C.S.A. Efeito da qualidade fisiológica das sementes e da densidade de semeadura sobre o rendimento de grãos e qualidade industrial em arroz. Revista Brasileira de Sementes, v.26, n.1, p.55-62, 2004.

KOLCHINSKI, E. M; SCHUCH, L. O. B; PESKE, S. T. Vigor de sementes e competição intraespecífica em soja. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n. 6, p. 1248-1256, nov./dez. 2005.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

MARCHIORI, L.F.S.; CAMARA, G.M.de SOUSA, PEIXOTO, C.P.; MATINS, M.C. Desempenho vegetativo de cultivares de soja em [Glycine max (L.) Merrill] em épocas normal e safrinha. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 56, n. 2, p. 383-390, 1999.

MARCOS FILHO, J. Qualidade fisiológica e maturação de sementes de soja (Glycine max (L.) Merrill). Piracicaba: ESALQ, 1979. 180 p.

MARCOS-FILHO, J. Conceitos e testes de vigor para sementes de soja. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOJA, 1.1999, Londrina. Anais... Londrina: Embrapa Soja, 1999.

MIELEZRSKI, F; SCHUCH, L.O. B.; PESKE, S. T.; PANOZZO, L.E.; PESKE, F.B.; CARVALHO, R.R. Desempenho individual e de populações de plantas de arroz híbrido em função da qualidade fisiológica das sementes. Revista Brasileira de Sementes. v. 30, p. 86-94, 2008.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântulas. In: VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. (Ed.). Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994. p. 49-85.

NAKAGAWA, J.; MACHADO, J. R.; ROSOLEM, C. A. Efeito da qualidade de semente sobre o estabelecimento da população e outras características da soja. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, v. 7, n. 2, p. 47-62, 1985.

NAKAGAWA, J.; ROSOLEM, C. A.; MACHADO, J. R. Desempenho de sementes de soja originárias de culturas estabelecidas em diferentes épocas. Revista Brasileira de Sementes. Brasília, v.6, n 3, p. 61-76, 1984.

NAKAGAWA, J.; ROSOLEM, C. A.; MACHADO, J. R. Efeito da densidade de plantas sobre o comportamento de dois cultivares de soja. Revista de Agricultura, Piracicaba, v. 61, n. 3, p. 277-290, 1986.

PANOZZO, L.E.; SCHUCH, L.O.B.; PESKE, S.T.; MIELEZRSKI, F.; PESKE, F.B. Comportamento de plantas de soja originadas de sementes de diferentes níveis de qualidade fisiológica. Revista da Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia, v.16, n.1, p.32-41, 2009.

POPINIGIS, F. Fisiologia de semente. 2. ed. Brasília, DF: AGIPLAN, 1985. 289 p.

PUTEH, A. B.; SULEIMAN, I.; CHIN, H. F. Effects of initial seed quality on yield, yield components and quality of harvested seeds of soybean (Glycine max (L.) Merrill). In: ISTA CONGRESS SEED SYMPOSIUM, 24., 1995, Copenhagen. Proceedings... Copenhagen: ISTA, 1995. p. 47.

SCHUCH, L.O.B.; KOLCHINSKI, E. M.; FINATTO, J.A. Qualidade fisiológica a semente e desempenho de plantas isoladas de soja. Revista Brasileira de Sementes, vol. 31, n. 1, p.144-149, 2009.

TEKRONY, D. M.; EGLI, D. B. Relationship of seed vigor to crop yeild: a review. Crop Science, Madison, v. 31, p. 816-822, 1991.

TEKRONY, D. M.; EGLI, D. B.; WHITE, G. M. Seed production and techonology. In: WILCOX, J. R. (Ed.). Soybeans: improvement, production and uses. 2nd ed. Madison: American Society of Agronomy, 1987. p. 295-353.

VAZQUEZ, G. H.; CARVALHO, N. M.; BORBA, M. M. Z. Redução na população de plantas sobre a produtividade e a qualidade fisiológica da semente de soja. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, v. 30, n. 2, p. 1-11, 2008.

VIEIRA, R.D.; KRZYZANOWSKI, F.C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. cap. 4, p.1-26.

Publicado
2018-02-20
Seção
Artigos Científicos