Tolerância de Mimosa caesalpiniaefolia Benth. associada a micorrizas arbusculares em substrato da mineração de manganês

  • Kaio Gráculo Vieira Garcia Universidade Federal do Ceará / Doutorando em Ciência do Solo - (Programa de Pós-graduação em Ciência do Solo/UFC)
  • Vânia Felipe Freire Gomes Universidade Federal do Ceará / Professora Titular do Departamento de Ciências do Solo
  • Paulo Furtado Mendes Filho Universidade Federal do Ceará / Professor Titular do Departamento de Ciências do Solo
  • Claudia Miranda Martins Universidade Federal do Ceará / Professora Associada I do Departamento de Biologia.
  • Aldênia Mendes Mascena de Almeida Universidade Federal do Ceará
  • José Maria Tupinambá da Silva Júnior Universidade Federal do Ceará

Resumo

A exploração mineral é considerada uma das principais ações antrópicas que causam a poluição do solo com metais, dentre os quais se encontra o manganês (Mn), que quando em excesso pode causar sintomas de toxidez, inibir o crescimento das plantas e causar alterações nas comunidades vegetais. Objetivou-se avaliar os efeitos dos fungos micorrízicos arbusculares (FMA) na tolerância da espécie Mimosa caesalpiniaefolia Benth. ao substrato degradado pelo rejeito da mineração de Mn e mata preservada. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 2 x 4, considerando-se: i) dois tipos de substrato (degradado pelo rejeito da mineração de Mn e mata preservada); ii) quatro tratamentos de inoculação com FMA (controle não inoculado, Rhizophagus clarus, Claroideoglomus etunicatum e Mix) com quatro repetições. Aos 60 dias após o transplantio, as variáveis analisadas foram: massa da matéria seca da parte aérea e raiz, densidade de esporos, colonização micorrízica, teor de N e P na parte aérea, teor de Mn na parte aérea e raiz e o fator de translocação de Mn. A inoculação com FMA influencia de forma positiva no aumento da massa da matéria seca da parte aérea e raiz, bem como na tolerância da espécie M. caesalpiniaefolia Benth ao Mn. A espécie vegetal apresenta colonização micorrízica mesmo sob condições de baixa densidade de esporos no substrato com elevado teor de Mn. M. caesalpiniaefolia Benth atua como fitoestabilizadora em áreas degradadas pela mineração de Mn, independente da inoculação com FMA.

 

Biografia do Autor

Kaio Gráculo Vieira Garcia, Universidade Federal do Ceará / Doutorando em Ciência do Solo - (Programa de Pós-graduação em Ciência do Solo/UFC)
Possui Graduação em Engenharia Agronômica (Agronomia) pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA (2013) e Mestrado em Ciência do Solo pela Universidade Federal do Ceará (2015). Atualmente é bolsista CAPES de Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo da Universidade Federal do Ceará (UFC). Tem experiência em Agronomia, com ênfase em Microbiologia e Bioquímica do Solo, atuando nos seguintes temas: Fitorremediação de solos contaminados por metais pesados, recuperação de áreas degradadas pela atividade de mineração, fungos micorrízicos arbusculares, interação entre micorrizas arbusculares X manganês.
Vânia Felipe Freire Gomes, Universidade Federal do Ceará / Professora Titular do Departamento de Ciências do Solo
Possui doutorado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela Universidade de São Paulo (1997). Atualmente é professora Titular da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Agronomia e Zootecnia, com ênfase em Microbiologia e Bioquímica do Solo, Biologia do solo e Microbiologia Agrícola, atuando em linha de pesquisa que abrange os seguintes temas: Fungos micorrízicos arbusculares, cultivo de cogumelos, interações rizóbio-FMA, atividade microbiana no solo e/ou em associação com substratos alternativos e impactados com metais pesados em plantas nativas.
Paulo Furtado Mendes Filho, Universidade Federal do Ceará / Professor Titular do Departamento de Ciências do Solo
Possui Graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará (1980), Mestrado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela Universidade Federal do Ceará (1985) e Doutorado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela Universidade de São Paulo (2004). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Ceará, lotado no Departamento de Ciências do Solo e leciona disciplinas de graduação e pós-graduação na área de Microbiologia do Solo. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase na pesquisa em Microbiologia e Bioquímica do Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: fixação biológica do nitrogênio atmosférico, micorrizas arbusculares em solos com problemas de sal e manejo microbiano em áreas degradadas, especialmente no semiárido nordestino.
Claudia Miranda Martins, Universidade Federal do Ceará / Professora Associada I do Departamento de Biologia.
Graduada em Agronomia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1993), Mestrado em Agronomia (Ciências do Solo) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1999) e Doutorado em Agronomia (Ciências do Solo) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2003). Atualmente é Professora Associada I do Departamento de Biologia da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Microbiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Biossegurança, Ecologia Microbiana, Fixação Biológica de Nitrogênio, Feijão-caupi e Microbiota do solo.
Aldênia Mendes Mascena de Almeida, Universidade Federal do Ceará
Possui Graduação em Recursos Hídricos/Irrigação (2006), pelo Instituto Centro de Ensino Tecnológico-Centec; Mestrado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela universidade Federal do Ceará (2010). Doutorado Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela universidade Federal do Ceará (inicio 2011: termino 2014). Tem experiência nas áreas de Recursos Hídrico, Agronomia e meio ambiente, com ênfase na pesquisa de qualidade de água, em Microbiologia e Bioquímica do Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: ciências e classificação dos Solos , recuperação de áreas degradadas, microbiologia do solo, química ambiental e microbiologia, fixação biológica do nitrogênio atmosférico, micorrizas arbusculares e manejo microbiano em áreas degradadas, especialmente no semiárido nordestino.
José Maria Tupinambá da Silva Júnior, Universidade Federal do Ceará
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará (2005), Mestrado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela Universidade Federal do Ceará (2008) e Doutorado em Ciência do Solo (2016). Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Microbiologia e Bioquímica do Solo, Biologia do Solo atuando principalmente nos seguintes temas: fungos micorrízicos arbusculares, atividade microbiana do solo, produção de mudas em substratos alternativos, adubação orgânica e qualidade do solo.
Publicado
2018-02-20
Seção
Artigos Científicos