Expansão do setor florestal nas mesorregiões do estado de Goiás

  • Escleide Gomes Cabral Universidade Federal de Goiás – UFG
  • Sybelle Barreira Universidade Federal de Góias – UFG
Palavras-chave: Silvicultura, Economia florestal, Produção florestal

Resumo

Desde a chegada do eucalipto em Goiás, por volta de 1980, a silvicultura vem se consolidando ao longo dos anos e demonstrando sua importância para a economia do estado. Assim, o objetivo deste trabalho foi verificar o comportamento dos produtos do mercado florestal carvão vegetal, lenha e madeira em tora oriundos de silvicultura, ao longo dos anos para as mesorregiões do estado de Goiás. Por meio de levantamento de dados do IBGE, foram contabilizadas as quantidades produzidas, bem como os valores arrecadados de cada produto para os anos compreendidos entre 2000 e 2015. Nas mesorregiões Norte e Sul no ano de 2000 foram produzidas 27.390 e 49.496 t de carvão vegetal, correspondendo a R$ 3,2 milhões e R$ 7,7 milhões, respectivamente. A lenha produzida no mesmo período nas mesorregiões Sul e Norte foi de 445.125 m3, arrecadando R$ 5,08 milhões, e 169.610 m3 (R$ 878 mil), e a produção de madeira correspondeu a 17.971 m3 (R$ 318 mil) e 5.750 m3 (R$ 230 mil). As demais mesorregiões sempre apresentaram valores baixos para ambos os produtos. Em 2015, a produção de carvão vegetal diminuiu, enquanto a produção de lenha e madeira aumentou, indicando que alguns produtos vêm sendo substituídos ao longo dos anos, como o carvão vegetal por cavacos de madeira, assim como outros produtos que podem ser trabalhados e transformados em outras fontes de energia menos poluentes e mais econômicas.

Referências

ALMEIDA, A. N.; ÂNGELO, H.; SILVA, J. C. G. L.; NUÑEZ, B. E. C. Análise econométrica do mercado de madeira em tora para o processamento mecânico no estado do Paraná. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 37, n. 84, p. 377-386, dez. 2009.

BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO. Melhorando a atração do investimento florestal a nível subnacional. Curitiba: STPC, 2010. 190 p.

BRASIL. Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas. Anuário estatístico da Abraf: ano base 2009. Brasília, DF: Abraf, 2010a. 140 p.

BRASIL. Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas. Anuário estatístico da Abraf 2013: ano base 2012. Brasília, DF: Abraf, 2013. 148 p.

BRASIL. Serviço Florestal Brasileiro. Cadeia produtiva. Sistema de Informações Florestais, Brasília, DF, 22 maio 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2Lva5kp>. Acesso em: 27 ago. 2018.

BRASIL. Sociedade Brasileira de Silvicultura. Fatos e números do Brasil florestal: dezembro de 2008. Brasília, DF: SBF, 2008. 93 p.

BRASIL. Serviço Florestal Brasileiro. Panorama econômico do setor florestal. Brasília, DF: SBF, 2014. 11 p.

CARVALHO, T. M.; BAYER, M. Utilização dos produtos da “Shuttle Radar Topography Mission” (SRTM) no mapeamento geomorfológico do estado de Goiás. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 9, n. 1, p. 35-41, 2008. doi: 10.20502/rbg.v9i1.99.

GOIÁS. Aspectos físicos. Portal Goiás, Goiânia, [2016]. Disponível em: <https://bit.ly/2okqHSt>. Acesso em: 27 abr. 2016.

GOIÁS. Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento. PIB Goiás: 2010-2013. Goiânia: SegPlan, 2015. 40 p.

GOMES, M. P.; SANO, E. E.; FERREIRA, L. G. Avaliação de imagens MODIS para o monitoramento de desmatamento em áreas de cerrado do estado de Goiás. Goiânia: Lapig, 2006. 43 p.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES. Indústria Brasileira de Árvores 2015. Brasília, DF: IBÁ, 2015. 100 p.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES. Indústria Brasileira de Árvores 2016. Brasília, DF: IBÁ, 2017. 100 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção da extração vegetal e da silvicultura 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.v. 23. 44 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção da extração vegetal e da silvicultura 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. v. 24. 42 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção da extração vegetal e da silvicultura 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. v. 28. 66 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção da extração vegetal e da silvicultura 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. v. 29. 54 p.

INSTITUTO MAURO BORGES; GOIÁS. Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento. Goiás em dados 2014. Goiânia: SegPlan, 2014. 105 p.

MORALES, M. M.; NICOLI, C. M. L.; MORAES, A. C.; COAN, R. M.; PACHECO, A. R.; TONINI, H. Caracterização do setor florestal goiano. Colombo: Embrapa Florestas, 2012. 51 p. Documento n. 241.

REIS, C. F.; MORAES, A. C.; PEREIRA, A. V.; AGUIAR, A. V.; SOUSA, V. A.; BORGES, H. M. D. Diagnóstico do setor de florestas plantadas no estado de Goiás. Brasília, DF: Embrapa, 2015. 139 p.

SANTANA, R. C.; FONTAN, I. C. I.; OLIVEIRA, S. L. Implantação, manutenção e produtividade dos povoamentos. In: VALE, A. B.; MACHADO, C. C.; PIRES, J. M. M.; COSTA, C. B.; VILAR, M. B.; NACIF, A. P. (Ed.). Eucaliptocultura no Brasil: silvicultura, manejo e ambiência. Viçosa: Suprema, 2014. p. 161-186.

SILVA, J. C.; MATOS, J. L. M. A madeira de eucalipto na indústria moveleira. Revista da Madeira, n. 70, 2003. Disponível em: <https://bit.ly/2oqMbx9>. Acesso em: 27 ago. 2018.

UHLIG, A.; GOLDEMBERG, J.; COELHO, S. T. O uso de carvão vegetal na indústria siderúrgica brasileira e o impacto sobre as mudanças climáticas. Revista Brasileira de Energia, v. 14, n. 2, p. 67-85, 2008.

VALVERDE, S. R.; REZENDE, J. L. P.; SILVA, M. L.; JACOVINE, L. A. G.; CARVALHO, R. M. M. A. Efeitos multiplicadores da economia florestal brasileira. Árvore, v. 27, n. 3, p. 285-293, 2003. doi: 10.1590/S0100-67622003000300003.

VALVERDE, S. R.; OLIVEIRA, G. G.; CARVALHO, R. M. M. A.; SOARES, T. S. Efeitos multiplicadores do setor florestal na economia capixaba. Árvore, v. 29, n. 1, p. 85-93, 2005. doi: 10.1590/S0100-67622005000100010.

Publicado
2018-10-09
Seção
Artigos Científicos