Armazenamento e qualidade pós-colheita de frutos de figueira cv. Roxo de Valinhos no Oeste Potiguar

  • Francisco Sidene Oliveira Silva Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
  • Eduardo Castro Pereira Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
  • Anderson Araujo Alves Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
  • Vander Mendonça Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
  • Elizangela Cabral dos Santos Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
  • João Paulo Nobre de Almeida Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA
Palavras-chave: Ficus carica L., Vida útil, Conservação

Resumo

Os frutos de figueira apresentam uma vida útil relativamente curta, em virtude de sua frágil estrutura e seu elevado metabolismo, o que exige enormes cuidados em seu armazenamento. Objetivou-se com este trabalho avaliar os atributos físico-químicos nos diferentes tempos de armazenamento na conservação pós-colheita de figueira cv. Roxo de Valinhos. Utilizou-se delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5 x 3 (5 tempos de armazenamento: 0, 4, 8, 12, 16 dias; e 3 pontos de colheita: 50, 75 e 100% maduros), com quatro repetições e 8 frutos por tratamento. Os figos foram armazenados em câmara fria, em temperatura de 10 ± 2°C e 80-90% de umidade relativa. Estes fatores se mostraram como uma eficiente alternativa para manter a qualidade dos frutos por até 4 dias para as características de massa fresca e vitamina C, enquanto o teor de sólidos solúveis (°Brix) teve seus melhores valores aos 16 dias de armazenamento. O estádio de maturação III obteve maior comprimento e diâmetro, bem como menor perda de massa fresca e firmeza dos frutos.

Biografia do Autor

Francisco Sidene Oliveira Silva, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Estudante de Doutorado do Programa de Pós-graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

Departamento: Fitotecnia

Eduardo Castro Pereira, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Estudante de Doutorado do Programa de Pós-graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

Departamento: Fitotecnia

Anderson Araujo Alves, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Estudante de graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

 

Vander Mendonça, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Professor do Programa de Pós-graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

Departamento: Ciências Vegetais

Elizangela Cabral dos Santos, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Professor do Programa de Pós-graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

Departamento: Ciências Vegetais

João Paulo Nobre de Almeida, Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA

Estudante de Doutorado do Programa de Pós-graduação na Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA

Área: Fitotecnia

Referências

ADRIANO, E.; LEONEL, S.; EVANGELISTA, R. M. Qualidade de fruto da aceroleira cv. Olivier em dois estádios de maturação. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. 1, p. 541-545, 2011. Suplemento. doi: 10.1590/S0100-29452011000500073.

ANTUNES, L. E. C.; DUARTE FILHO, J.; SOUZA, C. M. Conservação pós-colheita de frutos de amoreira-preta. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 38, n. 3, p. 413-419, 2003. doi: 10.1590/S0100-204X2003000300011.

ANTUNES, L. E. C.; GONÇALVES, E. D.; TREVISAN, R. Alterações da atividade da poligalacturonase e pectinametilesterase em amora-preta (Rubus spp.) durante o armazenamento. Revista Brasileira de Agrociência, v. 12, n. 1, p. 63-66, 2006. doi: 10.18539/CAST.V12I1.4488.

AOAC – ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official methods of analysis of the AOAC. 17. ed. Washington: AOAC, 2002.

CARMO FILHO, F.; OLIVEIRA, O. F. Mossoró: um município do semiárido nordestino, caracterização climática e aspecto florístico. Mossoró: Esam, 1995. 62 p.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras: Editora da UFLA, 2005. 543 p.

DUSSÁN-SARRIA, S. S.; HONÓRIO, S. L. Parâmetros de resfriamento rápido do figo (Ficus carica L.) cv. Roxo de Valinhos embalado em caixa de exportação. UDO Agrícola, v. 5, n. 1, p. 96-102, 2005.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. doi: 10.1590/S1413-70542011000600001.

FREITAS, R. N. S.; SOUZA, P. A.; SILVA, M. E. T.; SILVA, F. L.; MARACAJÁ, P. B. Caracterização pós-colheita de figos (Ficus carica L.) produzidos sob diferentes condições de cultivo na Chapada do Apodi-CE. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 10, n. 1, p. 43-46, 2015. doi: 10.18378/rvads.v10i1.3316.

GONÇALVES, C. A. A.; LIMA, L. D. O.; LOPES, P. S. N.; PRADO, M. E. T. Caracterização física, físico-química, enzimática e de parede celular em diferentes estádios de desenvolvimento da fruta de figueira. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 1, p. 220-229, 2006. doi: 10.1590/S0101-20612006000100035.

LAJÚS, C. R. Desenvolvimento e produção da figueira cv. Roxo de Valinhos em ambiente protegido, submetida a diferentes épocas de poda e condução. 2004. 146 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2004.

LIMA, L. C.; DIAS, M. S. C.; CASTRO, M. V.; MARTINS, R. N.; RIBEIRO JÚNIOR, P. M..; SILVA, E. D. Conservação pós-colheita de figos verdes (Ficus carica L.) cv. Roxo de Valinhos tratados com hipoclorito de sódio e armazenados sob refrigeração em atmosfera modificada passiva. Ciência e Agrotecnologia, v. 29, n. 4, p. 810-816, 2005. doi: 10.1590/S1413-70542005000400013.

MAZARO, S. M.; GOUVÊA, A.; CITADIN, I.; DANNER, M. A. Ensacamento de figos cv. Roxo de Valinhos. Scientia Agrária, v. 6, n. 1-2, p. 59-63, 2005. doi: 10.5380/rsa.v6i1.4595.

MOREIRA, G. C. Colheita do figo. In: LEONEL, S.; SAMPAIO, A. C (Org.). A figueira. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 337-346.

NEVES, L. C.; PRILL, M. A. S.; BENEDETTE, R. M.; SILVA, V. X. Pós-colheita de frutas tropicais. In: NEVES, L. C. Manual pós-colheita da fruticultura brasileira. Londrina: EdUEL, 2009. p. 373-386.

NIENOW, A. A.; CHAVES, A.; LAJÚS, C. R.; CALVETE, E. O. Produção da figueira em ambiente protegido submetida a diferentes épocas de poda e número de ramos. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 28, n. 3, p. 421-424, 2006. doi: 10.1590/S0100-29452006000300018.

OSHIRO, A. M.; DRESH, D. M.; SCALON, S. P. Q. Atmosfera modificada e temperaturas de armazenamento na conservação pós-colheita de guavira (Campomanesia adamantium Camb.). Bioscience Journal, v. 29, n. 5, p. 1421-1430, 2013.

SILVA, A. C. Utilização do carbono-13 como marcador na partição de fotoassimilados em figueira. 2009. 98 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2009.

SOUZA, A. P.; SILVA, A. C. Exigências climáticas da figueira. In: LEONEL, S.; SAMPAIO, A. C. (Org.). A figueira. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 111-122.

SOUZA, M. E.; JENMI, M.; MELGAREJO, P.; LEONEL, S.; OTÓN, M.; ARTÉS, F. Atributos físico-químicos e aceitabilidade dos frutos de figueiras cultivadas na Espanha. Nativa, v. 2, n. 3, p. 138-142, 2014. doi: 10.14583/2318-7670.v02n03a02.

THÉ, P. M. P.; CARVALHO, V. D.; ABREU, C. M. P.; NUNES, R. P.; PINTO, N. A. V. D. Efeito da temperatura de armazenamento e do estádio de maturação sobre a composição química do abacaxi cv. Smooth Cayenne L. Ciência e Agrotecnologia, v. 25, n. 2, p. 356-363, 2001.

Publicado
2018-09-24
Seção
Artigos Científicos