Crescimento inicial e acúmulo de sódio em plantas de arroz submetidas à salinidade

  • Elisa Souza Lemes Universidade Federal de Pelotas – UFPel
  • Sandro de Oliveira Universidade Federal de Pelotas – UFPel
  • Edinilson Henrique das Neves Universidade Federal de Pelotas – UFPel
  • Ronan Ritter Universidade Federal de Pelotas – UFPel
  • André Oliveira de Mendonça Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Geri Eduardo Meneghello Universidade Federal de Pelotas – UFPel
Palavras-chave: Oryza sativa L., Estresse abiótico, Análise de crescimento, Tolerância

Resumo

A análise de crescimento é um método acessível, de baixo custo e bastante preciso, utilizado para avaliar o crescimento vegetal em diferentes condições de ambiente de cultivo e manejo. Diante disso, objetivou-se avaliar o efeito da salinidade sobre o crescimento inicial e acúmulo de sódio no tecido vegetal de duas cultivares de arroz com diferentes níveis de tolerância à salinidade. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 2 (cultivares BRS Bojuru e IRGA 417, com e sem estresse salino) com cinco repetições. Para simular o estresse salino foi utilizada água com condutividade elétrica de 2 Ds m−1. As avaliações foram realizadas aos 10, 20, 30, 40 e 50 dias após a emergência (DAE), sendo avaliados os parâmetros: altura de planta, área foliar, matéria seca de parte aérea e teor de sódio. Para o cálculo das taxas assimilatórias líquidas (TAL), de crescimento relativo (TCR) e de crescimento da cultura (TCC), contemplaram-se os períodos de 10, 30 e 50 DAE. A salinidade reduz a altura da planta, área foliar e massa de matéria seca das plantas, enquanto aumenta o teor de sódio nos tecidos das cultivares. A cv. BRS Bojuru, submetida à salinidade, tem melhor resposta no início do crescimento que a cv. IRGA 417, e apresenta melhor taxa de crescimento relativo aos 30-50 DAE. A taxa assimilatória líquida não é influenciada pela salinidade no período de 30-50 DAE em ambas as cultivares.

Referências

AUMONDE, T. Z.; PEDÓ, T.; MARTINAZZO, E. G.; MORAES, D. M.; VILLELA, F. A.; LOPES, N. F. Análise de crescimento e partição de assimilados em plantas de maria-pretinha submetidas a níveis de sombreamento. Planta Daninha, v. 31, p. 99-108, 2013.

AZEVEDO NETO, A. D.; TABOSA, J. N. Estresse salino em plântulas de milho: parte II: distribuição dos macronutrientes catiônicos e suas relações com sódio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 4, n. 2, p. 165-171, 2000.

CAMBRAIA, J. Aspectos bioquímicos, celulares e fisiológicos dos estresses nutricionais em plantas. In: NOGUEIRA, R. J.; ARAÚJO, E. L.; WILLADINO, L. G.; CAVALCANTE, U. M. Estresses ambientais: danos e benefícios em plantas. Recife: Editora da UFRPE, 2005. v. 1, p. 95-105.

CARMONA, F. C.; ANGHINONI, I.; HOLZSCHUH, M. J.; ANDRIGHETTI, M. H. Cation dynamics in soils with different salinity levels growing irrigated rice. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, n. 6, p. 1851-1863, 2010.

CARMONA, F. C.; ANGHINONI, I.; MEURER, E. J.; HOLZSCHUH, M. J.; FRAGA, T. I. Estabelecimento do arroz irrigado e absorção de cátions em função do manejo da adubação potássica e do nível de salinidade no solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, n. 2, p. 371-383, 2009.

CAVALCANTE, L. F.; CORDEIRO, J. C.; NASCIMENTO, J. A. M.; CAVALCANTE, I. H. L.; DIAS, T. J. Fontes e níveis da salinidade da água na formação de mudas de mamoeiro cv. Sunrise solo. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, p. 1281-1290, 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre: SBCS, 2004. 400 p.

CRUZ, J. L.; PELACANI, C. R.; COELHO, E. F.; CALDAS, R. C.; ALMEIDA, A. Q. QUEIROZ, J. R. Influência da salinidade sobre o crescimento, absorção e distribuição de sódio, cloro e macronutrientes em plântulas de maracujazeiro-amarelo. Bragantia, v. 65, n. 2, p. 275-284, 2006.

FARIAS, S. G. G.; SANTOS, D. R.; FREIRE, A. L. O.; SILVA, R. B. Estresse salino no crescimento inicial e nutrição mineral de glicirídia (Gliricidia sepium (Jacq.)) em solução nutritiva. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, n. 5, p. 1499-1505, 2009.

FERREIRA, R. G.; TÁVORA, F. J. A. F.; HERNANDEZ, F. F. F. Distribuição da matéria seca e composição química das raízes, caule e folhas de goiabeira submetida a estresse salino. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 36, n. 1, p. 79-88, 2001.

GARCIA, G. O.; NAZÁRIO, A. A.; MORAES, W. B.; GONÇALVES, I. Z.; MADALÃO, J. C. Respostas de genótipos de feijoeiro à salinidade. Engenharia na Agricultura, v. 18, p. 330-338, 2010.

GRACIANO, E. S. A.; NOGUEIRA, R. J. M. C.; LIMA, D. R. M.; PACHECO, C. M.; SANTOS, R. C. Crescimento e capacidade fotossintética da cultivar de amendoim BR 1 sob condições de salinidade. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 15, n. 8, p. 794-800, 2011.

HARTER, F. S. Tolerância de cultivares de arroz irrigado ao estresse salino. 2014. 131 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Pelotas, 2014.

LACERDA, C. F.; CAMBRAIA, J.; OLIVA, M. A. RUIZ, H. A. Influência do cálcio sobre o crescimento e solutos em plântulas de sorgo estressadas com cloreto de sódio. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 28, n. 2, p. 289-295, 2004.

LARRÉ, F. C.; MIRINI, P.; MORAES, C. L.; AMARANTE, L.; MORAES, D. M. Influência do 24-epibrassinolídeo na tolerância ao estresse salino em plântulas de arroz. Semina: Ciências Agrárias, v. 35, n. 1, p. 67-76, 2014.

LIMA, M. G. S.; LOPES, N. F.; MORAES, D. M.; ABREU, C. M. Qualidade fisiológica de sementes de arroz submetidas a estresse salino. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 1, p. 54-61, 2005.

PEDÓ, T.; AUMONDE, T. Z.; LOPES, N. F.; VILLELA, F. A. MAUCH, C. R. Análise comparativa de crescimento entre genótipos de pimenta cultivados em casa de vegetação. Bioscience Journal, v. 29, n. 1, p. 125-131, 2013.

PEDROTTI, A.; CHAGAS, R. M.; RAMOS, V. C.; PRATA, A. P. N.; LUCAS, A. A. T.; SANTOS, P. B. Causas e consequências do processo de salinização dos solos. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, n. 2, p. 1308-1324, 2015.

REGO, S. S.; FERREIRA, M. M.; NOGUEIRA, A. C.; GROSSI, F.; SOUSA, R. K.; BRONDANI, G. E.; ARAUJO, M. A.; SILVA, A. L. L. Estresse hídrico e salino na germinação de sementes de Anadenanthera colubrina (Veloso) Brenan. Journal of Biotechnology and Biodiversity, v. 2, n. 4, p. 37-42, 2011.

SANTOS, M. R.; BRITO, C. F. B. Irrigação com água salina, opção agrícola consciente. Agrotecnologia, v. 7, n. 1, p. 33-41, 2016.

SCALON, S. P. Q.; MUSSURY, R. M.; EUZÉBIO, V. L. M.; KODAMA, F. M.; KISSMANN, C. Estresse hídrico no metabolismo e crescimento inicial de mudas de mutambo (Guazuma ulmifolia Lam.). Ciência Florestal, v. 21, n. 4, p. 655-662, 2011.

SCHOSSLER, T. R.; MACHADO, D. M.; ZUFFO, A. M.; ANDRADE, F. R.; PIAUILINO, A. C. Salinidade: efeitos na fisiologia e na nutrição mineral de plantas. Enciclopédia Biosfera: Centro Científico Conhecer, v. 8, n. 15, p. 1563-1578, 2012.

SILVA, A. O.; KLAR, A. E.; SILVA, E. F. F.; TANAKA, A. A.; JUNIOR, J. F. S. Relações hídricas em cultivares de beterraba em diferentes níveis de salinidade do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 11, p. 1143-1151, 2013.

SILVA, R. N.; LOPES, N. F.; DUARTE, G. L.; MORAES, D. M.; PEREIRA, A. L. A. Análise de crescimento de plantas de Hordeum Vulgare L. submetidas a estresse salino. Revista Brasileira de Agrociência, v. 13, n. 4, p. 455-463, 2007.

STRECK, E. V.; KÄMPF, N.; DALMOLIN, R. S. D.; KLAMT, E.; NASCIMENTO, P. C.; SCHNEIDER, P.; GIASSON, E.; PINTO, L. F. S. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: Emater-RS; Ascar, 2008. 222 p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MØLLER, I. M.; MURPHY, A. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. 858 p.

TEDESCO, M. J.; GIANELLO, C.; BISSANI, C. A.; BOHNEN, H.; VOLKWEISS, S. J. Análises de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: Faculdade de Agronomia, Departamento de Solos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. 174 p.

WILLADINO, L.; CAMARA, T. R. Tolerância das plantas à salinidade: aspectos fisiológicos e bioquímicos. Enciclopédia Biosfera: Centro Científico Conhecer, v. 86, n. 11, p. 1-23, 2010.

Publicado
2018-10-09
Seção
Artigos Científicos