Regeneração natural em área de reflorestamento misto com espécies nativas no município de Laranjeiras, SE

  • Milton Marques Fernandes UFS
  • Greice Kelly Oliveira Andrade UFS
  • Robério Anastácio Ferreira UFS
  • Thalita Rocha da Silva UFS
  • Icaro Bruno Andrade Souza UFS
  • Juliana Silva Magalhães
Palavras-chave: Sucessão ecológica, Recuperação de áreas degradadas, Fitossociologia

Resumo

O reflorestamento misto com espécies nativas pode estabelecer um processo de sucessão ecológica em áreas perturbadas ou degradadas, sendo a regeneração natural um dos mais importantes indicadores do avanço desse processo. Neste sentido, este trabalho buscou avaliar a composição e estrutura fitossociológica da regeneração natural em uma área de reflorestamento misto com espécies nativas no município de Laranjeiras, SE. Numa área reflorestada de 46 ha foram alocadas 30 parcelas de 1 x 1 m, foram amostrados todos os indivíduos com circunferência na altura da base < 15 cm e nas seguintes classes de altura: 0,30 m ≤ H ≤ 1,0 m; 1,1 m ≤ H ≤ 2; 2,1 m ≤ H ≤ 3 m. As espécies foram classificadas quanto ao grupo ecológico a que pertencem e a suas síndromes de dispersão. Foram analisados os parâmetros da estrutura vertical e horizontal, os índices de diversidade e equabilidade e a similaridade florística entre as espécies plantadas e a regeneração natural. As espécies G. americana e S. terebinthifolia são indicadas como facilitadoras para a restauração de áreas degradadas na Mata Atlântica no estado de Sergipe, pois ocorreram nas três classes de altura. Verificou-se um predomínio de espécies pioneiras, baixa diversidade na regeneração natural, ocasionadas pelo pastejo de equinos na área. Houve pouca similaridade florística entre os regenerantes e as espécies arbóreas plantadas, pois os indivíduos adultos plantados ainda não atingiram idade reprodutiva.

Biografia do Autor

Greice Kelly Oliveira Andrade, UFS

Biologa, Mestre em Agricultura e Biodiversidade

Robério Anastácio Ferreira, UFS

Professor do Departamento de Ciências Florestais da UFS

Thalita Rocha da Silva, UFS

Engenheira Florestal

Icaro Bruno Andrade Souza, UFS

Graduando em Engenharia Florestal

Juliana Silva Magalhães

Graduanda em Engenharia Florestal

Referências

III – APG Angiosperm Phylogeny Group III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

AMARAL, C. S.; AMARAL, W. G.; PEREIRA, I. M.; OLIVEIRA, P. A.; MACHADO, V. M. Comparação florístico-estrutural dos estratos adultos e regenerantes em área minerada de campo rupestre, Diamantina, MG. Cerne, v. 21, n. 2, p. 183-190, 2015.

ARMANDO, D. M. S.; ROSA, T. C.; SOUSA, H.; SILVA, R. A.; CARVALHO, L. C. S.; GONZAGA, A. P. D.; MACHADO, E. L. M.; COSTA, M. P. Colonização de espécies arbustivo-arbóreas em povoamento de Eucalyptus spp., Lavras, MG. Floresta e Ambiente, v. 18, n. 4, p. 376-389, 2011.

DANADIO, L. C.; NACHTIGAL, J. C.; SACRAMENTO, C. K. Frutas exóticas. Jaboticabal: Funep, 1998. 120 p.

FERREIRA, P. I.; GOMES, J. P.; BATISTA, F.; BERNARDI, A. P.; COSTA, N. C. F.; BORTOLUZZI, R. L. C.; MANTOVANI, A. Espécies potenciais para recuperação de Áreas de Preservação Permanente no Planalto Catarinense. Floresta e Ambiente, v. 20, n. 2, p. 173-182, 2013.

FIORENTIN, L. D.; TEO, S. J.; SCHNEIDER, C. R.; COSTA, R. H.; BATISTA, S. Analise florística e padrão espacial da regeneração natural em área de floresta ombrófila mista na região de Caçador, SC. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 1, p. 60-70, 2015.

GRESSLER, E.; PIZO, M. A.; MORELLATO, L. P. C. Polinização e dispersão de sementes em Myrtaceae do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 29, n. 4, p. 509-530, 2006.

HIGUCHI, P.; SILVA, A. C.; BUZZI JUNIOR, F.; NEGRINI, M.; FERREIRA, T. S.; SOUZA, S. T.; SANTOS, K. F.; VEFAGO, M. B. Fatores determinantes da regeneração natural em um fragmento de floresta com araucária no planalto catarinense. Scientia Forestalis, v. 43, n. 106, p. 251-259, 2015.

JESUS, E. N; SANTOS, T. S.; RIBEIRO, G. T.; ORGE, M. D. R.; AMORIM, V. O.; BATISTA, R. C. R. C. Regeneração natural de espécies vegetais em jazidas revegetadas. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 1, p. 191-200, 2016.

KUNZ, S. H.; MARTINS, S. V. Regeneração natural de floresta estacional semidecidual em diferentes estágios sucessionais (Zona da Mata, MG, Brasil). Floresta, v. 44, n. 1, p. 111-124, 2014.

LAMB, D. Regreening the bare hills: tropical forest restoration in the Asia-Pacific Region. Nova York: Springer, 2011. 577 p.

LIMA, A. S.; FELICIANO, A. L. P.; MARANGON, L. C.; OLIVEIRA, L. S. B.; PESSOA, M. M. L. Regeneração natural de um fragmento de floresta ombrófila densa na bacia hidrográfica do Rio Capibaribe, PE. Agrária, v. 8, n. 2, p. 273-278, 2013.

LOPES, I. S.; FELICIANO, A. L. P.; MARANGON, L. C.; ALENCAR, A. L. Dinâmica da regeneração natural no sub-bosque de Pinus caribaea Morelet. var. caribaea na reserva biológica de Saltinho, Tamandaré – PE. Ciência Florestal, v. 26, n. 1, p. 95-107, 2016.

MARANGON, L. C.; SOARES, J. J.; FELICIANO, A. L. P.; BRANDÃO, C. F. L. S. Regeneração natural em um fragmento de floresta estacional semidecidual em Viçosa, Minas Gerais. Árvore, v. 32, n. 1, p. 183-191, 2008.

MAGALHÃES, J. S.; FERNANDES, M. M.; AGUILAR, J. M. R. E.; CRISCUOLO, A. R. S. A.; FERNANDES, M. R. M.; FERREIRA, R. A. Avifauna em reflorestamento no município de laranjeiras – SE. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, v. 28, n. 1, p. 23-32, 2016.

MARTINS, S. V. Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. Viçosa: Aprenda Fácil, 2009. 270 p.

MIRANDA NETO, A.; MARTINS, S. V.; SILVA, K. A.; GLERIANI, J. M. Relações ecológicas entre estratos de uma área restaurada, com 40 anos, Viçosa-MG. Floresta e Ambiente, v. 19, n. 4, p. 393-404, 2012.

MOURA, M. A. Análise do componente arbóreo em área de reflorestamento misto na Mata Atlântica, no município de Laranjeiras, Sergipe. 2016. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2016.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Willey & Sons, 1974. 547 p.

OLIVEIRA, L. S. B.; MARANGON, L. C.; FELICIANO, A. L. P.; CARDOSO, M. O.; LIMA, A. S.; ALBUQUERQUE, M. J. B. Fitossociologia da regeneração natural de uma floresta ombrófila densa em Moreno, Pernambuco, Brasil. Agrária, v. 8, n. 1, p. 119-124, 2013.

RECH, C. C. C.; SILVA, A. C.; HIGUCHI, P.; SCHIMALSKI, M. B.; PSCHEIDT, F.; SCHMIDT, A. B.; ANSOLIN, R. D.; BENTO, M. A.; MISSIO, F. F.; LOEBENS, R. Avaliação da restauração florestal de uma APP degradada em Santa Catarina. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 2, p. 194-203, 2015.

REY BENAYAS, J. M.; BULLOCK, J. M.; NEWTON, A. C. Creating woodland islets to reconcile ecological restoration, conservation, and agricultural land use. Frontiers in Ecology and the Environment, v. 6, n. 6, p. 329-336, 2008.

RODRIGUES, R. R.; BRANCALION, P. H. S.; ISERNHAGEN, I. Pacto pela restauração de Mata Atlântica: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal. 3. ed. São Paulo: Lerf, 2010. 239 p.

SAMPAIO, A. B.; VIEIRA, D. L. M.; CORDEIRO, A. O. O.; AQUINO, F. G.; SOUSA, A. P.; ALBUQUERQUE, L. B.; SCHMIDT, I. B.; RIBEIRO, J. F.; PELLIZZARO, K. F.; SOUSA, F. S.; MOREIRA, A. G.; SANTOS, A. B. P.; REZENDE, G. M.; SILVA, R. R. P.; ALVES, M.; MOTTA, C. P.; OLIVEIRA, M. C.; CORTES, C. A.; OGATA, R. Guia de restauração do cerrado: semeadura direta. Brasília, DF: Rede de Sementes do Cerrado, 2015. 39 p.

SILVA, W. C.; MARANGON, L. C.; FERREIRA, R. L. C.; FELICIANO, A. L. P.; COSTA JUNIOR, R. F. Estudo da regeneração natural de espécies arbóreas em fragmento de floresta ombrófila densa, Mata das Galinhas, no município de Catende, Zona da Mata Sul de Pernambuco. Ciência Florestal, v. 17, n. 4, p. 321-331, 2007.

SOUZA, L. M.; FARIA, R. A. V. B.; BOTELHO, S. A.; FONTES, M. A. L.; FARIA, J. M. R. Potencial da regeneração natural como método de restauração do entorno de nascente perturbada. Cerne, v. 18, n. 14, p. 565-576, 2012.

SOUZA, A. L.; SOARES, C. P. B. Florestas nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Viçosa: Editora da UFV, 2013. 322 p.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 380 p.

VIEIRA, D. C. M.; GANDOLFI, S. Chuva de sementes e regeneração natural sob três espécies arbóreas em uma floresta em processo de restauração. Revista Brasileira de Botânica, v. 29, n. 4, p. 541-554, 2006.

Publicado
2018-09-21
Seção
Artigos Científicos