Análise radiográfica e biométrica de sementes de hortaliças folhosas

  • Michelle Conceição Vasconcelos Universidade Federal de Lavras – UFLA
  • Joel Conceição Costa Universidade Federal de Lavras – UFLA
  • Ariadne Morbeck Santos Oliveira Universidade Federal de Lavras – UFLA
  • João Antônio Almeida Granja Universidade Federal de Lavras – UFLA
  • Renato Mendes Guimarães Universidade Federal de Lavras – UFLA
Palavras-chave: GroundEye®, Morfologia, Qualidade fisiológica, Raios X

Resumo

Análise de imagem é uma técnica de fácil utilização, não destrutiva e que possibilita a rápida tomada de decisão no caso de sementes com problemas na germinação ou demora no período de análise. Neste trabalho relacionou-se as classes de sementes (cheia e translúcida), separadas de acordo com a imagem radiográfica, a biometria e o teste de germinação de lotes de sementes de agrião, alface, almeirão, chicória, mostarda, repolho e salsa, como também a avaliação da capacidade de germinação por cor do tegumento. Esta pesquisa utilizou sementes de hortaliças folhosas, submetidas aos raios X até se obter o número suficiente destas cheias e translúcidas para o teste de germinação. Simultaneamente, foi feita a primeira contagem e o índice de velocidade de germinação. Em seguida, foi realizada a análise biométrica por meio de imagens digitalizadas do Sistema de Análise de Semente. Nas sementes translúcidas, com exceção do almeirão, observou-se que germinação, vigor e parâmetros biométricos foram menores quando comparadas às cheias. Conclui-se que a imagem radiográfica é eficiente para a classificação da qualidade fisiológica de sementes de hortaliças folhosas e demonstra uma relação com sua biometria, porém a cor do tegumento não pode ser considerada como parâmetro de classificação para todas as espécies.

Referências

ABUD, H. F.; REIS, R. G. E.; INNECCO, R.; BEZERRA, A. M. E. Emergência e desenvolvimento de plântulas de cártamos em função do tamanho das sementes. Ciência Agronômica, v. 41, n. 1, p. 95-99, 2010. doi: 10.5935/1806-6690.20100013.

BARBIERI, A. P. P.; MENEZES, N. L.; CONCEIÇÃO, G. M.; TUNES, L. M. Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 1, p. 117-124, 2012. doi: 10.1590/S0101-31222012000100015.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa; ACS, 2009. 399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. (Ed.). Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal: Funep, 2012. 590 p.

CASTELLANI, E. D.; AGUIAR, I. B.; PAULA, R. C. Colheita de frutos, extração e beneficiamento de sementes de solanáceas arbóreas. Informativo Abrates, v. 17, n. 1-3, p. 69-75, 2007.

DINIZ, F. O.; MEDEIROS FILHO, S.; BEZERRA, A. M. E.; MOREIRA, F. J. C. Biometria e morfologia da semente e plântula de oiticica. Revista Verde, v. 10, n. 2, p. 183-187, 2015. doi: 10.18378/rvads.v10i2.2965.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. doi: 10.1590/S1413-70542011000600001.

GAGLIARDI, B.; MARCOS FILHO, J. Relationship between germination and bell pepper seed structure assessed by the X-ray test. Scientia Agricola, v. 68, n. 4, p. 411-416, 2011. doi: 10.1590/S0103-90162011000400004.

GOMES, K. B. P.; MARTINS, R. C. C.; MARTINS, I. S.; GOMES JUNIOR, F. G. Avaliação da morfologia interna de sementes de Terminalia argentea (Combretaceae) pelo teste de raios X. Ciência Agronômica, v. 45, n. 4, p. 752-759, 2014. doi: 10.1590/S1806-66902014000400013.

GOMES JUNIOR, F. G. Aplicação da análise de imagens para avaliação da morfologia interna de sementes. Informativo Abrates, v. 20, n. 3, p. 33-39, 2010.

INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION. International rules for seed testing. Zürich: ISTA, 2004. 180 p.

KIKUTI, A. L. P.; MARCOS FILHO, J. Testes de vigor em sementes de alface. Horticultura Brasileira, v. 30, n. 1, p. 44-50, 2012. doi: 10.1590/S0102-05362012000100008.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962. doi: 10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x.

MONDO, V. H. V.; CÍCERO, S. M. Análise de imagens na avaliação da qualidade de sementes de milho localizadas em diferentes posições na espiga. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 1, p. 9-18, 2005. doi: 10.1590/S0101-31222005000100002.

NONOGAKI, H.; BASSEL, G. W.; BEWLEY, J. D. Germination: still a mystery. Plant Science, v. 179, n. 6, p. 574-581, 2010. doi: 10.1016/j.plantsci.2010.02.010.

PINTO, T. L. F.; MARCOS FILHO, J.; FORTI, V. A.; CARVALHO, C.; GOMES JUNIOR, F. G. Avaliação da viabilidade de sementes de pinhão manso pelos testes de tetrazólio e de raios X. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 195-201, 2009. doi: 10.1590/S0101-31222009000200023.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2. ed. Brasília, DF: Abrates, 1985. 298 p.

SIMAK, M. Testing of forest tree and shrub seeds by X-radiography. In: GORDON, A. G.; GOSLING, P.; WANG, B. S. P. (Ed.). Tree and shrub seed handbook. Zurich: ISTA, 1991. p. 1-28.

SILVA, P. P.; FREITAS, R. A.; CÍCERO, S. M.; MARCOS FILHO, J.; NASCIMENTO, W. M. Análise de imagens no estudo morfológico e fisiológico de sementes de abóbora. Horticultura Brasileira, v. 32, n. 2, p. 210-214, 2014a. doi: 10.1590/S0102-05362014000200016.

SILVA, V. N.; ARRUDA, N.; CÍCERO, S. M.; MAUS, C. A.; GIACOMELI, R. Morfologia interna e germinação de sementes de arroz de terras baixas produzidas em diferentes regimes hídricos. Irriga, v. 19, n. 3, p. 453-463, 2014b. doi: 10.15809/irriga.2014v19n3p453.

Publicado
2018-10-02
Seção
Artigos Científicos