Fragmentação florestal na Região de Integração do Lago de Tucuruí, Pará, Brasil

Palavras-chave: Ecologia da paisagem, Vegetação remanescente, Biodiversidade

Resumo

O processo de fragmentação florestal ocasiona danos severos à biodiversidade, devido ao efeito de borda que ocorre nos fragmentos. O objetivo deste estudo foi avaliar a fragmentação florestal na Região de Integração do Lago de Tucuruí, estado do Pará. Para mapear os fragmentos florestais, realizou-se uma classificação supervisionada de imagens Landsat 8 OLI/TIRS. Os fragmentos foram divididos em seis classes de tamanho: classe 1 (< 10 ha), classe 2 (≥ 10 e < 50 ha), classe 3 (≥ 50 e < 100 ha), classe 4 (≥ 100 e < 500 ha), classe 5 (≥ 500 e < 1000 ha) e classe 6 (> 1000 ha). Utilizou-se o Fragstats 4.2 para calcular métricas de área, densidade, borda, forma, área central (simulações de efeito de borda: 30 m, 60 m, 90 m, 120 m), proximidade e contágio. Contabilizou-se 10.273 fragmentos na paisagem, dos quais a maioria (4.446 ou 43,28%) pertencem à classe 1. Embora em maior número, os fragmentos das menores classes totalizam menor área de floresta remanescente. O total de bordas e a densidade de bordas não seguiram um padrão correspondente ao tamanho dos fragmentos. Os maiores fragmentos possuem a maior quantidade de área central, estando menos propensos ao efeito de borda, apesar de terem formatos mais irregulares. Constatou-se que a vegetação remanescente está com alto grau de fragmentação e isolamento dos fragmentos na paisagem. Na Região de Integração do Lago de Tucuruí, Itupiranga é o município com a vegetação que mais favorece a conservação da biodiversidade, enquanto Nova Ipixuna é o que mais demanda ações de conservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Leão Gonçalves, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará (UFPA), Rua Itaipu, 36, 68.464-000, Tucuruí, PA, Brasil

Vanessa Maria Silva da Cruz, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará (UFPA), Rua Itaipu, 36, 68.464-000, Tucuruí, PA, Brasil

Anderson Borges Serra, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará (UFPA), Rua Coronel José Porfírio, 2515, 68.372-040, Altamira, PA, Brasil

Referências

ABDALLA, L. S.; CRUZ, C. B. M. Análise de fragmentação florestal no município de Silva Jardim, APA do Rio São João, RJ. Revista Brasileira de Cartografia, Monte Carmelo, v. 67, n. 1, p. 169-184, 2015.

AWADE, M.; METZGER, J. P. Importance of functional connectivity to evaluate the effect of habitat fragmentation for three Atlantic Rainforests birds. Austral Ecology, Hoboken, n. 33, p. 863-871, 2008.

CONGALTON, R. G. A review of assessing the accuracy of classifications of remotely sensed data. Remote Sensing of Environment, Amsterdam, v. 37, n. 1, p. 35-46, 1991. doi: 10.1016/0 034-4257(91)90048-B

ESPÍRITO-SANTO, F. D. B.; GLOOR, M.; KELLER, M.; MALHI, Y.; SAATCHI, S.; NELSON, B.; OLIVEIRA JUNIOR, R. C.; PEREIRA, C.; LLOYD, J.; FROLKING, S.; PALACE, M.; SHIMABUKURO, Y. E.; BRIENEN, R. J. W.; ASNER, G. P.; BOYD, D. S.; PHILLIPS, O. L. Size and frequency of natural forest disturbances and the Amazon forest carbon balance. Nature Communications, London, v. 5, n. 3434, p. 1-6, 2014. doi: 10.1038/ncomms4434.

ESRI. ArcGIS 10.5: software. 2016. Disponível em: http://www.esri.com/software/arcgis/index.html. Acesso em: 22 out. 2018.

FAPESPA – FUNDAÇÃO AMAZÔNICA DE AMPARO A ESTUDOS E PESQUISAS DO PARÁ. Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Lago de Tucuruí. 2014. Disponível em: http://www.fapespa.pa.gov.br/sites/default/files/Regi ao_Integracao_Lago_de_Tucurui.pdf. Acesso em: 4 dez. 2018.

FERNANDES M. R. M.; MATRICARDI, E. A. T.; ALMEIDA, A. Q.; FERNANDES, M. M. Análise temporal da fragmentação florestal na região semiárida de Sergipe. Nativa, Sinop, v. 5, n. 6, p. 421-427, 2017. doi: 10.5935/2318-7670.v05n06a07

FONSECA, L. M. G. Processamento digital de imagens. Brasília: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2000. 105p.

HENTZ, A. M. K.; CORTE, A. P. D.; DOUBRAWA, B.; SANQUETTA, C. R. Avaliação da fragmentação dos remanescentes florestais da Bacia hidrográfica do rio Iguaçu – PR, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 11, n. 21, p. 2842-2858, 2015.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico. 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/so ciais/populacao.html. Acesso em: 12 nov. 2018.

MCGARIGAL, K. Fragstats v. 4.2: spatial pattern analysis program for categorical and continuous maps. Amherst: University of Massachusetts, 2015. 182p.

MCGARIGAL, K.; MARKS, B. J. Fragstats: spatial pattern analysis program for quantifying landscape structure – reference manual. Corvallis: Oregon State University, 1995. 141p.

METZGER, J. P. Como restaurar a conectividade de paisagens fragmentadas? In: KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. E.; MORAES, L. F. D.; ENGEL, V. L.; GANDARA, F. B. Restauração ecológica de ecossistemas naturais. 2. ed. Botucatu: Fepaf, 2003. p. 51-76.

METZGER, J. P. O que é ecologia de paisagens? Biota Neotropica, Campinas, v. 1, n. 1, p. 1-9, 2001.

PARÁ. Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Lago de Tucuruí. 2013. Disponível em: http://www.integracao.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=0a6ea c82-0b58-40bf-a60e-c80828c0ec90&groupId=10157. Acesso em: 10 dez. 2018.

PIROVANI, D. B.; SILVA, A. G.; SANTOS, A. R.; CECÍLIO, R. A.; GLERIANI, J. M.; MARTINS, S. V. Análise espacial de fragmentos florestais na Bacia do Rio Itapemirim, ES. Revista Árvore, Viçosa, v. 38, n. 2, p. 271-281, 2014.

ROCHA, G. M. Usinas hidrelétricas e mudanças demográficas na Amazônia brasileira. Nadir: revista eletrônica de geografia austral, Chile, v. 7, n. 1, p. 1-12, 2015.

SAITO, N. S.; MOREIRA, M. A.; SANTOS, A. R.; EUGENIO, F. C.; FIGUEIREDO, A. C. Geotecnologia e ecologia da paisagem no monitoramento da fragmentação florestal. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 23, n. 2, p. 201-210, 2016. doi: 10.1590/2179-8087.119814

SANTOS, J. F. C.; MENDONÇA, B.A. F.; ARAÚJO, E. J. G.; ANDRADE, C. F. Fragmentação florestal na Mata Atlântica: o caso do município de Paraíba do Sul, RJ, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 15, n. 3, p. 151-158, 2017.

SANTOS, M. J.; DISNEY, M.; CHAVE, J. Detecting human presence and influence on neotropical forests with remote sensing. Remote Sensing, Basel, v. 10, n. 1593, p. 2-18, 2018. doi: 10.3390/rs10101593

SILVA, S. F.; MENDES, N. G. S.; BERMUDES, W. L.; SANTOS, A. R.; GARCIA, G. O. Análise espacial dos fragmentos florestais da sub-bacia hidrográfica do Rio da Prata em Ibiraçu e Aracruz – ES, Brasil. Vértices, Campos dos Goytacazes, v. 17, n. 1, p. 121-132, 2015. doi: 10.5935/ 1809-2667.20150008

SOUZA, C. G.; ZANELLA, L.; BORÉM, R. A. T.; CARVALHO, L. M. T.; ALVES, R. H. M. VOLPATO, M. M. Análise da fragmentação florestal da área de proteção ambiental coqueiral, Coqueiral – MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 631-644, 2014. doi: 10.159 0/1980-509820142403011

TRIMBLE. Ecognition Developer 9.0: software. 2014. Disponível em: http://www.ecog

nition.com/free-trial. Acesso em: 17 set. 2018.

USGS. Portal do serviço geológico dos Estados Unidos. 2018. Disponível em: https://www.usgs.gov/. Acesso em: 2 out. 2018.

Publicado
2019-08-20
Seção
Artigos Científicos